Denúncia do senador Marcos do Val desencadeia demissões na Saúde do Rio de Janeiro



Uma denúncia do senador capixaba Marcos do Val (Podemos) desencadeou uma série de demissões de agentes públicos do Governo do Rio de Janeiro, acusados de corrupção na compra de respiradores em meio à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19). As suspeitas foram levadas ao conhecimento do Ministério Público ainda no mês de abril.

No último domingo (17), o secretário de Saúde do Rio de Janeiro, Edmar Santos, foi demitido do cargo. A denúncia do parlamentar mostra que aparelhos de respiração artificial estavam sendo vendidos por dez vezes acima do normal. Aparelhos que antes da pandemia eram vendidos, em média, a R$14 mil, estavam sendo comprados pelo estado do Rio de Janeiro por aproximadamente R$200 mil.

O senador denunciou o superfaturamento por meio em suas redes sociais. Ele também protocolou denúncias no Ministério Público Federal (MPF) e na Procuradoria Geral de Justiça do Estado do Rio de Janeiro. “Trabalho incansavelmente para combater a corrupção em todos os níveis, onde ela estiver. Não poderia deixar uma situação como essa passar”, afirmou Do Val.

No início de maio, o número dois da pasta, o ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves, e mais três pessoas suspeitas de obter vantagens em licitações.  A Polícia Federal do Rio de Janeiro deflagrou ainda uma operação, denominada “Favorito”, que prendeu outros suspeitos de fraude em compras emergenciais durante a pandemia da Covid-19.