Investimentos na indústria de software fomentam negócios disruptivos



Nos últimos anos, o setor de tecnologia da informação (TI) tem exercido papel fundamental para o surgimento de modelos de negócios disruptivos, gerando inúmeras oportunidades. Com o impacto de aplicativos e softwares, setores como transporte, logística, comércio e bancário, por exemplo, têm redesenhado sua forma de atuar, incentivando o desenvolvimento de novas tecnologias e adoção de inovação. Para que o empresariado capixaba possa se adequar às exigências do mercado cada vez mais competitivo, o Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) disponibiliza linhas de financiamento adequadas para investimento na indústria de software.

De acordo com o último estudo desenvolvido pela Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), intitulado “Mercado Brasileiro de Software e Serviços”, o crescimento do setor de Tecnologia da Informação (TI) no Brasil está acima da média mundial, e totalmente descolado do PIB brasileiro. No ano de 2019, o crescimento interno ficou próximo de 10,5%, já a média global alcançou 4,9%. Já no ano de 2018, o setor apresentou aumento de 9,8%, valor acima da média mundial que registrou 6,7%. Com base nestes dados, a ABES projeta o desenvolvimento do setor em 2020 perto de 15%.

No cenário capixaba, empresários interessados em investir na adoção de tecnologias, aquisição e desenvolvimento de softwares e aplicativos, investimento em pesquisa, pessoal e serviços de consultorias têm recursos disponíveis no Bandes. O banco tem à disposição atendimento especializado tanto para empresas como para startups, com o direcionamento para contratação do crédito tradicional com linhas de crédito ligadas ao setor, como também orientação sobre os processos de seleção dos Fundos de Investimentos e Participações (FIPs) com técnicos da própria instituição.

Importante destacar que não existe uma fórmula única para a alavancagem da transformação digital nas empresas. O conceito da Indústria 4.0 (também conhecida como Manufatura Avançada) introduziu a definição de fábricas inteligentes, em que sistemas cibernéticos têm a capacidade de monitorar máquinas e processos físicos industriais e tomar decisões descentralizadas, com pouca intervenção humana.

Esta tendência no setor industrial potencializa um nicho de atuação importante para indústria de softwares e outros negócios ligados ao desenvolvimento tecnológico, seja por departamentos internos dentro de empresas tradicionais, como também por empreendedores interessados em atuar como desenvolvedoras de TI ou como fornecedoras para os demais negócios. Para ambos os modelos de atuação, o Bandes oferece linhas de crédito que podem contribuir para o desenvolvimento do empreendimento.

Em empreendimentos cujo negócio fim é o desenvolvimento de TI, como por exemplo fábricas de software, que envolvem um conjunto de recursos (humanos e materiais), processos e metodologias estruturados de forma semelhante às indústrias tradicionais, o planejamento do investimento também deve ser feito similar aos modelos de negócio tradicionais. Por isso, o empreendedor deve planejar adequadamente o investimento em um conjunto de ações que passam pelos pilares comercial, técnicos em captação e de aceleração do negócio.

Com o planejamento e a contratação de recursos, com prazos e condições adequados ao modelo de negócio, as empresas de software e integradores adquirem, na mesma proporção, maior vantagem competitiva, podendo conquistar espaço no mercado. Para o empresário, no Bandes, estas orientações sobre contratação de crédito produtivo ou o aporte de recursos de FIPs, têm orientações necessárias para o ganho de produtividade.