Fundo de Proteção ao Emprego injetou R$ 130 milhões na economia capixaba

O Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo (Bandes) divulgou relatório com o balanço de atuação do Fundo de Proteção ao Emprego, uma das principais medidas de enfrentamento à pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) na área econômica e de proteção social do Governo do Espírito Santo, além de ser o maior fundo emergencial de manutenção das atividades produtivas do País.

De maio a dezembro de 2021, o Fundo injetou R$ 130 milhões na economia capixaba, por meio da linha de crédito emergencial, com capital de giro, de maneira desburocratizada para que o empresário tenha um fôlego a mais e possa manter as atividades da empresa.

O Fundo faz parte das medidas econômicas anunciadas pelo Governo do Estado como forma de dar suporte às empresas que passam por diferentes situações e que necessitam de crédito para superar este período, dentro do Plano Espírito Santo — Convivência Consciente. Por meio dos recursos disponibilizados aos empresários, foi possível manter cerca de cinco mil empregos.

O principal destino dos recursos foram os empreendimentos do setor de serviços, com pouco mais da metade dos financiamentos aprovados. O setor abrange bares e restaurantes, que receberam R$ 13,85 milhões. Na sequência, o comércio apresenta 31,12% dos recursos aprovados, se destacando empreendimentos com foco na comercialização de artigos do vestuário e acessórios, movimentando cerca de R$ 7 milhões. A indústria apresenta 15,74% dos recursos.

O diretor-presidente do Bandes, Munir Abud de Oliveira, destacou que esta linha foi construída com condições adequadas para os empresários capixabas. “A linha lançada pelo Governo do Estado é a maior do País. A finalidade de recuperação econômica com capital de giro faz parte de um pacote de medidas socioeconômicas, com condições facilitadas e dispensa de certidões, o que amplia o leque de empresas que podem acessar os recursos e os direcionar exatamente a quem precisa”, explicou.

Com relação à distribuição espacial dos recursos, a linha “rodou” por mais da metade do território capixaba. Os municípios que tiveram mais recursos aprovados são Vitória, Colatina, Serra, Vila Velha, Cariacica, Guarapari, Linhares, Cachoeiro de Itapemirim, Domingos Martins e Venda Nova do Imigrante.

A linha de crédito emergencial faz parte do maior programa de crédito emergencial do País em volume de recursos. Munir Abud de Oliveira ressaltou que o banco se organizou para priorizar o atendimento às empresas neste momento, disponibilizando informações, orientando e dando celeridade ao processo de contratação dos financiamentos.

O diretor-presidente do Bandes acrescentou ainda que o atendimento ao empresariado é uma prioridade dentro das atividades da instituição. “A equipe do banco foi mobilizada para atender esta importante missão que nos foi apresentada: dar condições de acesso ao empresário com a linha de crédito emergencial. Assim, pudemos contribuir para que economia capixaba dê uma resposta ágil aos impactos socioeconômicos da pandemia, ao oferecer capital de giro e recursos financeiros essenciais para a manutenção das atividades dessas empresas”, reafirmou.

Atendimento on-line

O empresário tem à disposição um atendimento personalizado da equipe do banco, podendo tirar dúvidas sobre a contratação dos recursos pela central de atendimento do Bandes e pelo site da instituição, no link bandes.com.br/emergencial. Para acessar o crédito, o interessado deve entrar no site do banco e preencher um formulário que será remetido à instituição para cadastro e análise, a partir do início das operações da linha. A medida possibilita maior agilidade e flexibilidade para o atendimento.

A linha de financiamento do Fundo de Proteção ao Emprego poderá financiar capital de giro em condições bastante atrativas, com prazo de até 72 meses para pagar, incluídos 12 meses de carência. A linha é considerada sem juros, uma vez que o recurso financiado só tem correção pela taxa Selic.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.