BANNER SEFAZ

 

Governo do Estado lança Operação Patrulha da Comunidade na Grande Vitória

O governador do Estado, Renato Casagrande, anunciou, na manhã desta quinta-feira (26), a retomada da Operação Patrulha da Comunidade na Grande Vitória, em solenidade realizada no Quartel do Comando-Geral da Polícia Militar, em Maruípe, Vitória. Ao todo, serão 169 policiais em escala extra nas áreas comerciais e de grande circulação de pessoas na Região Metropolitana da Grande Vitória (RMGV).

Os locais foram selecionados com base nas estatísticas de crimes contra o patrimônio, elaboradas pela Gerência do Observatório da Segurança Pública (Geosp), da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (Sesp). Os militares receberão Indenização Suplementar de Escala Operacional (Iseo), com um investimento total de R$ 5.974.025,91, até o dia 31 de dezembro.

Os policiais terão uma atuação operacional na modalidade de policiamento ostensivo a pé e ciclopatrulhamento, em duplas, nas regiões definidas, com apoio de uma viatura. Isso sem prejuízo dos demais recursos ordinários e extraordinários já utilizados, nos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica, no período de segunda-feira a sexta-feira, das 7h30 às 20h.

“Estamos retomando a Patrulha da Comunidade. Vamos iniciar com os quatro maiores municípios, pois estamos conseguindo contratar mais policiais e pagar indenizações. Em novembro, mais policiais começam a atuar e em setembro uma nova turma de soldados inicia o curso de formação. De 2019 para cá estamos fazendo um resgate da área da segurança pública para que possamos fazer um enfrentamento aos diversos tipos de crime com mais intensidade e eficiência”, afirmou o governador.

Casagrande destacou que a Patrulha da Comunidade é um trabalho de proximidade com a população. “Os policiais vão se contatar com os moradores e lojistas, estando presentes de acordo com o mapa de crime e a intensidade do comércio. A ideia é reduzir os crimes contra patrimônio. Contudo, não será apenas a polícia que vai resolver esse problema. O trabalho social é também fundamental para reduzir esse tipo de ocorrência e recentemente abrimos mais vagas de acolhimento na Rede Abraço, pois as pessoas em situação de rua merecem atenção”, completou.

De acordo com o secretário de Estado da Segurança Pública e Defesa Social, coronel Alexandre Ramalho, essa é mais uma ação do Governo do Estado com o objetivo de prevenir e combater a criminalidade, como foram os lançamentos do patrulhamento no Território do Bem e a Operação Colheita.

“Mais uma vez, o governador Renato Casagrande demonstra toda a preocupação com a segurança da população e atende a um pedido nosso, dentro das diretrizes do Programa Estado Presente em Defesa da Vida. Esse patrulhamento visa a evitar, principalmente, os crimes patrimoniais, que tanto incomodam os capixabas, e a dar uma sensação maior de tranquilidade aos comerciantes dos nossos maiores municípios. Foram selecionados locais, de maneira técnica, e, com isso, esperamos reduzir a incidência de ocorrências nessas regiões que são fundamentais para nossa economia”, ressaltou Ramalho.

O comandante-geral da PMES, coronel Douglas Caus, reforçou a importância da iniciativa. “Queremos agradecer ao governador Renato Casagrande, que teve essa sensibilidade de retomar esse projeto, fundamental para aproximação das polícias com as comunidades. Infelizmente a descontinuidade das políticas públicas nos levou a perder esse vínculo mais próximo com a sociedade por um tempo. Mas como temos um líder preocupado com essa proximidade aos capixabas, estamos retomando esse policiamento de proximidade, as visitas tranquilizadoras dos nossos militares, que fazem parte de uma polícia legalista e que respeita a Constituição”, pontuou.

O secretário de Estado de Economia e Planejamento e coordenador do Programa Estado Presente, Álvaro Duboc, também participou do lançamento. “A segurança pública é um desafio permanente. Neste sentido, é preciso rever estratégias e inovar na gestão para manter a capacidade de resposta do sistema. A descontinuidade nos investimentos em tecnologias, equipamentos e recursos humanos nas Polícias Civil e Militar nos últimos anos reflete na redução dessa capacidade de resposta. Desde 2019l, estamos priorizando a recomposição dos efetivos das forças policiais. Mas, diferentemente de outras políticas públicas, na segurança o processo de formação é longo, chegando um a ano e meio entre o concurso e a nomeação do policial. Lançar mão de indenização para que o policial exerça suas atividades no período de folga é uma importante estratégia para ampliarmos o efetivo da PMES para as atividades de policiamento preventivo”, declarou.


Também estiveram presentes, os secretários de Estado de Governo, Gilson Daniel; da Casa Militar, Coronel Aguiar; além de secretários municipais e vereadores dos municípios da Grande Vitória.

Histórico

A Polícia Militar do Espírito Santo (PMES) instituiu, no ano de 2013, o projeto Patrulha da Comunidade, essencialmente voltado para a atuação em bairros com maior incidência de crimes contra o patrimônio, em quadrantes predeterminados, executando o policiamento comunitário-interativo orientado para a solução de problemas.

No início de 2014, o projeto Patrulha da Comunidade teve a atuação ampliada para aglomerados definidos pelo programa Estado Presente em Defesa da Vida, abrangendo também áreas de crimes contra a vida.

Em 2017, houve uma reestruturação do projeto Patrulha da Comunidade nos Batalhões e Companhias Independentes, a fim de fortalecer o policiamento ostensivo e preventivo, baseado na filosofia do policiamento comunitário de estabelecimentos comerciais e em locais de elevada concentração e circulação de pessoas, com o objetivo de reduzir os crimes contra o patrimônio. A atuação nesse modelo continua se mostrando necessária, em especial nas Unidades Operacionais do CPOM, com foco nos municípios da Grande Vitória.

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *