Igreja que integra roteiro jesuítico no Espírito Santo será restaurada

Com a presença do governador do Estado, Renato Casagrande, aconteceu, na manhã dessa segunda-feira (21), a solenidade de início das obras de restauro e readequação da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, localizada em Araçatiba, em Viana. O monumento do século XVIII é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e é a única construção arquitetônica que restou da fazenda.

O trabalho de restauro será feito pelo Instituto Modus Vivendi e, além das obras de restauração, faz parte do projeto a criação de um Centro Interpretativo, em anexo, que dará ao monumento uma linguagem nova, mais interativa, permitindo ao público conhecer melhor a história e a cultura do local.

O governador Renato Casagrande destacou a importância desta obra para a região. “Araçatiba tem uma história cultural riquíssima. Uma vez eu vim caminhando de Viana até aqui. São 13 quilômetros caminhando. Essa região é conhecida pela riqueza cultural e a festa é muito famosa. Restaurar a parte física da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda é uma forma de recuperar toda história e incentivar a cultura local. Vamos resgatar a história, a tradição desse monumento e reconhecer a rica cultura desta comunidade”, disse.

“O restauro deste monumento, que é parte do roteiro dos jesuítas no Espírito Santo, tem fundamental importância para a cultura e a história de nosso Estado. Com as intervenções, ele estará ainda mais atrativo, trazendo para o Espírito Santo turistas de todas as partes e, por consequência, irá gerar trabalho e renda na região, valorizando a comunidade local”, salientou a secretária de Estado de Turismo, Lenise Loureiro.  

Desenvolvimento turístico

O restauro da Igreja de Araçatiba faz parte do projeto de desenvolvimento turístico que marca a presença dos Jesuítas no Espírito Santo, na época do Brasil Colônia, sendo o mais completo e importante roteiro jesuítico do Brasil, com 137 quilômetros. Ela vai do Santuário Nacional de São José de Anchieta, em Anchieta, passa por Araçatiba, em Viana, e pelo Palácio Anchieta, em Vitória, e termina na Igreja de Reis Magos, na Serra.

A presidente do Instituto Modus Vivendi, Erika Kunkel, ressaltou que este projeto é muito importante para a preservação da memória e da cultura local. “Ele vai resgatar uma relevante época, que marca a presença dos jesuítas no Espírito Santo, além de contribuir para o desenvolvimento da região. Tenho orgulho de realizar trabalhos como este, que permitem aos capixabas conservar sua identidade, seu conhecimento e sua história”, frisou.

Ela acrescentou que desenvolveu um afeto muito especial por Araçatiba, ao saber de todo o carinho e dedicação dos moradores, por séculos, para preservar a história deste importante monumento. O prefeito de Viana, Wanderson Bueno, disse estar muito feliz com o início das obras de restauro da Igreja Nossa Senhora da Ajuda e a revitalização do entorno, com a criação do Circuito Jesuítico, que vai integrar Araçatiba ao Santuário Nacional São José de Anchieta, em Anchieta, e à Igreja dos Reis Magos, na cidade da Serra.

“Será um investimento viabilizado a partir de recursos captados em Edital do BNDES pelo Instituto Modus Vivendi, que conta com o patrocínio do Instituto Cultural Vale e da EDP, com a autorização do Iphan, por se tratar de um bem tombado pelo seu valor histórico e, especialmente com a parceria da Prefeitura de Viana, que tem atuado com serviços estruturais, de limpeza, iluminação e de segurança, além da mobilização da sociedade em torno dessa importante obra que vai mudar a rotina de Araçatiba, atraindo turistas e pesquisadores do mundo inteiro”, pontuou Wanderson Bueno.

“Nosso município tem dado saltos muito significativos em todas as áreas e na cultura não poderia ser diferente. A nossa cidade preocupa-se com o patrimônio cultural e com todo o seu legado refletido no pertencimento cultural da população, sua história, tradição e a tradução desses elementos para uma Viana do futuro”, complementou o prefeito.

A superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Elisa Machado Taveira, disse que é com muita alegria que o Iphan acompanha o início de mais um projeto para a proteção e valorização do Patrimônio Cultural Brasileiro. “Os jesuítas tiveram papel fundamental no território capixaba e a restauração da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda permitirá a preservação desse importante bem cultural tombado pelo Iphan, em 1950, e que a história desse local seja fomentada”, observou.

Fernando Saliba, diretor executivo da EDP, destacou que é motivo de orgulho poder proporcionar ao povo capixaba a recuperação da Igreja Nossa Senhora da Ajuda, patrimônio cultural do Espírito Santo e do País. “Trata-se de um projeto que, além de preservar a nossa história, representa um investimento no potencial turístico do Estado”, mencionou.  

“Acreditamos que essa união com instituições públicas e privadas para cuidar da nossa história, por meio de iniciativas como a restauração do patrimônio histórico da Igreja de Nossa Senhora da Ajuda, é fundamental para uma melhor compreensão do nosso passado e também para a construção de futuros. É uma honra para o Instituto Cultural Vale ser parceiro dessa iniciativa que integra o projeto de desenvolvimento turístico e que marca a presença dos jesuítas no Espírito Santo, junto com o Santuário Nacional de São José de Anchieta, cuja restauração também abraçamos”, enfatizou Hugo Barreto, diretor-presidente do Instituto Cultural Vale. 

A solenidade que oficializou o início dos trabalhos de restauro e readequação contou com as presenças do Arcebispo de Vitória, Dom Dario Campos; do secretário executivo do Ministério do Turismo, Marcos José Pereira; do prefeito de Viana, Wanderson Bueno; da presidente do Instituto Modus Vivendi, Erika Kunkel; da superintendente do Iphan-ES, Elisa Machado Taveira; do secretário de Estado da Cultura, Fabrício Noronha, e de representantes dos patrocinadores BNDES, EDP e Instituto Cultural Vale, entre outras autoridades.

História

De acordo com a historiadora Maria José dos Santos Cunha, Araçatiba é a grande fazenda jesuíta do Espírito Santo. “Foi em 1549, com D. João III (1521-1557), que a Companhia de Jesus entrou no Brasil, sendo o nosso País a primeira província jesuíta na América. Começaram por se instalar em Salvador e, em 1551, fundaram a vila de Nossa Senhora da Vitória, o que viria a ser o Colégio de Santiago, edificado sobre terreno doado para o efeito”, contou. 

Progressivamente, segundo a historiadora, estabeleceram missões em aldeias e, para o suporte financeiro dos colégios e instituições mantenedoras, foram criadas fazendas, a partir da compra de terrenos e de doações testamentárias. A sede da fazenda Araçatiba, localizada no atual município de Viana, no Espírito Santo, com a igreja de Nossa Senhora da Ajuda, teve residência desde 1716 e foi, desde o início, vocacionada para a produção de açúcar, aguardente e mel. 

Até a expulsão dos jesuítas foi, em extensão, a maior das fazendas. Para escoamento da intensa produção e proximidade com a cidade de Vitória, acabou por beneficiar a construção do canal de Camboapina, obra dos jesuítas, com duas léguas para transvase entre o rio Jucu, que corre no interior da propriedade, e a baía de Vitória, na qual os jesuítas mandaram fazer um pequeno porto próximo do colégio.  

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.